Energia solar na Campanha - Elysia energia fotovoltaica Rio Grande do Sul

Energia solar na Campanha: atlas solar mostra enorme potencial da região

A potencialidade do Estado para as energias renováveis foi mostrada nesta última semana em estudo aprofundado. O Atlas Solar do Rio Grande do Sul, criado pela governo do Estado, apontou que apenas 2,1% das terras aptas não urbanas em projetos de usinas solares centralizadas seriam capaz de suprir toda a demanda energética do Estado em 2016. Nesse espaço, seria possível instalar uma potência de 23 GW de energia fotovoltaica e produzir, anualmente, cerca de 34TWh de eletricidade.

Como funciona a energia solar? Entenda.

O número é equivalente à média do consumo gaúcho de energia elétrica registrada nos últimos sete anos, incluindo perdas do sistema. A pesquisa foi realizada a partir de dados de modelo numérico atmosférico específico para mapeamento solar, validados pelas informações obtidas de 33 estações terrestres automáticas do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) em solo gaúcho.

Faça um orçamento gratuito.

O mapeamento é uma iniciativa do governo do Estado, através da Secretaria de Minas e Energia, em parceria com empresas do setor privado e as universidades Ufrgs, Pucrs e Uergs. O maior potencial fotovoltaico médio por mesorregiões foi constatado na Campanha gaúcha, com produtividade média diária de 4,2 kWh/kWp, uma vez que a área conta com as maiores incidências de radiação e amplas áreas viáveis para a instalação de painéis.

Baixe o e-book da Elysia e saiba tudo sobre a energia fotovoltaica.

O Noroeste também apresenta avaliação semelhante, embora a intensa atividade agrícola limite os espaços disponíveis a sistemas de aproveitamento solar e deixe a região atrás do Oeste do Estado. Em partes menos favorecidas em incidência, como a Região Metropolitana de Porto Alegre, ainda assim, a produtividade média apresenta valor superior aos registrados em alguns países europeus, como a Alemanha.

Com o cruzamento de informações do atlas eólico com o fotovoltaico também foi constatado alto potencial de integração entre os dois tipos de produção de energia no Estado, em especial nas microrregiões de Osório, Jaguarão e litoral lagunar, que concentram 50% das áreas aptas à instalação de projetos híbridos. O levantamento sugere, inclusive, que o aproveitamento da infraestrutura elétrica dos parques eólicos hoje consolidados possam favorecer empreendimentos solares em seu entorno.

O atlas solarimétrico ainda deve estimular a geração distribuída (produção de eletricidade no local de consumo, com a possibilidade de jogar o excedente na rede elétrica e usufruir de créditos para abater na conta de luz). A secretária lembrou que o Rio Grande do Sul é o segundo estado em unidades instaladas, perdendo apenas para Minas Gerais.

Fonte: Jornal do Comércio



ISSO PODE SER INTERESSANTE TAMBÉM:

Ministério Público - Elysia energia solar Rio Grande do sul

,

Em 6 pontos, entenda por que as mudanças propostas pela Aneel representam um retrocesso para o Brasil

Continue lendo
Mudança Aneel - Elysia energia solar Rio Grande do Sul

Para o MPF, mudança proposta pela Aneel prejudica mercado e traz insegurança às empresas e consumidores

Continue lendo
Aneel audiência pública geração distribuída

Aneel amplia prazo de consulta pública sobre mudanças na geração distribuída

Continue lendo
Aumento da conta de luz - Elysia Energia Solar Rio Grande do Sul

, ,

Em 2020, conta de luz pode ter novo aumento para os consumidores brasileiros

Continue lendo